Buscar
Resultados por:
Busca avançada
Votação
Os membros mais ativos do mês
Setembro 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendário


Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Rei
Rei
Data de inscrição : 14/02/2018
Mensagens : 6
Fama : 745
Reputação : 6
Idade : 21
Localização : Petrópolis
Ver perfil do usuário

Hipótese sobre a Atração Feminina à Violência e Tomada de Risco

em Ter Abr 03 2018, 19:08
Reputação da mensagem: 100% (1 votos)
O Texto a  seguir foi traduzido do site "Shedding of the Ego"
O link para o texto original em inglês: http://sheddingoftheego.com/2016/06/04/hypothesis-on-the-female-attraction-to-violence-and-risk-taking/

Muitas vezes falamos nos círculos de Mgtow sobre o desejo inato das mulheres pela proteção e provisão, em essência a atração feminina pela violência ou sua atração por homens que estão prontos e dispostos a infligir danos a outros homens em seu favor, e a atrair homens que são alvos gordos e suculentos para o parasitismo financeiro de, digamos, a típica esposa que fica em casa. Isso refletiria em um modelo binário no qual a preponderância de proteção e provisão como fatores determinantes no sucesso reprodutivo é aproximadamente a mesma, entretanto em algumas investigações sobre os temas de medo, risco e agressão, eu começo a suspeitar que talvez não seja exatamente o caso, mas em vez disso, um só informa o outro. Ou seja, eu suponho que a agressividade e o comportamento de assumir riscos em homens simplesmente tenham uma persistente influência como fatores que uma vez informaram às mulheres sobre a capacidade de coleta de recursos desses mesmos machos. Observando a progressão da humanidade de um contexto de escassez de recursos para um de relativa abundância de recursos através do advento da agricultura, torna-se claro que todo o jogo reprodutivo pode ser centrado apenas na aquisição de recursos e satisfazendo a hipergamia, e não em uma proteção / provisão binária.

Antes de prosseguir, algumas bases para agressão e tomada de risco devem ser rapidamente expostas perguntando: Qual foi o papel dessas características nos homens durante nossa história evolutiva? Como você pode muito bem saber, fêmeas férteis são o fator limitante na reprodução enquanto um macho poderia teoricamente gerar centenas de descendentes, variações reprodutivas que em primatas vêm associadas à poliginia efetiva, em outras palavras, essas limitações permitem cenários em que um macho se relaciona com várias fêmeas. Buss e Shackelford escrevem:

“Poliginia efetiva significa que alguns homens ganham mais do que o sua “parte justa" de cópulas, enquanto outros machos são totalmente excluídos, banidos de contribuir para a ascendência das gerações futuras. Tal sistema leva a uma competição mais feroz dentro do sexo de alta variância. Em essência, a poligamia seleciona estratégias arriscadas, incluindo aquelas que levam ao combate violento com rivais e àquelas que levam ao aumento da tomada de riscos para adquirir os recursos necessários para atrair membros do sexo com alto investimento ”.


Entre os estudiosos no campo da psicologia evolucionista, sugere-se que a agressão evoluiu como uma solução para problemas específicos de adaptação, como defender seus recursos contra um ataque, ou por outro lado, pegando recursos de outro, ou até mesmo penalizando um concorrente rival para o objetivo final da replicação genética. Naturalmente, há uma pequena advertência para você lembrar. Qualquer tipo de tendência no comportamento será necessariamente modulado por ambientes e contextos específicos. Por exemplo, em um ambiente de relativa escassez de recursos, como o de uma sociedade de caçadores-coletores, podemos muito bem testemunhar níveis mais dramáticos de competição intra-sexual, do que em um ambiente onde os recursos são abundantes e fáceis de alcançar. Então, enquanto os humanos modernos herdaram os mecanismos psicológicos que levaram ao sucesso de seus antepassados, vale a pena ressaltar que isso não se traduz em agressividade como algum tipo de estado padrão, ao contrário das teorias Lorenzianas. Em vez disso, devemos sempre ter em mente que tais mecanismos são meramente “sensíveis a contextos nos quais a agressão conduz probabilisticamente à solução bem-sucedida de um problema adaptativo particular”.

Com isso fora do caminho, ficamos com uma dificuldade nas mãos: é praticamente impossível analisar uma população de Homo sapiens de 100.000 anos atrás, da mesma forma que podemos observar e analisar populações hoje. Uma forma de contornar essa limitação seria buscar a reprodução mais exata possível das pressões ambientais e, para o que estamos tentando observar aqui: o impacto do comportamento masculino tomador risco masculino e agressivo no sucesso reprodutivo, não podemos exagerar a importância da escassez de recursos nessa equação, seja comida, água limpa e materiais fundamentais, assim como recursos sexuais (isto é, mulheres férteis). Então, com isso em mente, gostaria de chamar a sua atenção para o trabalho do antropólogo americano Napoleon Chagnon, sobre a tribo Yanomami, uma sociedade de caçadores-coletores da Floresta Amazônica, publicado em um artigo intitulado “Histórias da Vida, Vingança de Sangue e guerra em uma população tribal”.

Para se ter uma ideia, veja uma breve visão geral de quem são os Yanomami: Uma tribo nativa de partes do sul da Venezuela e do norte do Brasil, uma sociedade de caçadores-coletores sem linguagem escrita, leis formais ou representantes do poder institucionalizado, como juízes ou um chefe supremo. Em vez disso, se organizam politicamente por vilas que na maioria das vezes tendem a ser maioritariamente compostas por pessoas que estão relacionadas entre si,cada aldeia tendo seu chefe, seu pequeno chefe, que geralmente é o homem com mais parentesco na aldeia(algo possível pela poligamia na sociedade Yanomami.).Eles, no entanto, têm uma reputação violenta, com relatos de lutas constantes entre diferentes aldeias, que se originam principalmente de questões sexuais, como infidelidade, tentativas de seduzir a esposa de outro homem, ciúme sexual, apropriação forçada de mulheres de grupos visitantes, fracasso para dar uma garota prometida em casamento e estupro. E essa violência pode se arrastar por anos, ou décadas, pois se alguém for morto, motiva a necessidade de vingança por parte do parente falecido, que não precisa ser dirigido à pessoa que matou. Muitas vezes o parente inimigo é um bom alvo. E isso pode continuar, numa espécie de olho por olho, onde cada lado espera deter o outro caso mostre uma resposta agressiva e imediata a um ataque. A prevalência de violência entre os Yanomami é tanta que cerca de 30% dos homens morrem em decorrência dos constantes combates, segundo Napoleão Chagnon.

(Figura 1) - Localzação dos Yanomami


Foquemos então no aspecto da violência na sociedade Yanomami. Sempre que se busca vingança de sangue, os homens formam grupos de assalto entre 10 e 20 membros para atacar uma aldeia inimiga, às vezes levando 4 dias de caminhada pela densa floresta para chegar à dita aldeia. Uma vez lá, normalmente é suficiente para o grupo atacar o primeiro cara que encontrar atacando-o com flechas e depois voltando rapidamente para casa. Entretanto, há relatos de massacres durante os ataques, onde 10 ou mais pessoas são mortas. Para os Yanomami, tornar-se um assassino é um prestígio, concedendo um grande status individual dentro de sua aldeia. Esses homens são conhecidos como unokais, que significa “aqueles que mataram”. Depois que um homem Yanomami mata, ele deve realizar um tipo de ritual de purificação chamado unokaimou, destinado a proteger o homem contra qualquer dano sobrenatural que possa ser infligido a ele pelo espírito da vítima. Quando o ritual é completado, o homem passa a ser conhecido como um unokai. Curiosamente, assim como os assassinos são louvados por sua comunidade, os homens que hesitam em atirar suas flechas contra o inimigo, ou que desistem dos ataques alegando doença ou ou qualquer outra desculpa, adquirem um a reputação de covardia, os “têhe”, como Yanomami os chamam. Consequentemente esses homens tornam-se motivo de chacota da aldeia, freqüentemente insultados e ridicularizados, e suas esposas começam a receber grande atenção sexual de outros homens.

Entre os Yanomami, por exemplo, sempre que há uma vila que não apresenta um comportamento realmente agressivo, e tem que confiar nas aldeias vizinhas para proteção, é bastante comum ver esses vizinhos se tornarem mais ousados e abertamente seduzindo as mulheres daquela aldeia, e roubá-las, pois sabem que não haverá retaliação.

O autor nos dá mais um pouco de informação que é absolutamente reveladora, no que diz respeito à conexão entre a tomada de risco e o sucesso reprodutivo. Ele compilou dados sobre um grupo de homens yanomami composto por 137 unokais e 243 não-unokais, e descobriu que 88% desses 137 unokais tiveram filhos, enquanto apenas 49% dos 243 não-assassinos conseguiram se tornar pais. Há uma diferença dramática no número médio de filhos em praticamente todas as categorias de idade, resultando em uma média total de 4,9 crianças para cada unokai, em comparação com a média de 1,5 crianças para cada não-unokai.

(Figura 2)- Sucesso reprodutivo de Yanomamis Assassinos x Não-Assassinos.


De fato faz um retrato da relevância da tomada de risco e da gestão do medo para os homens de uma perspectiva evolucionária, quando observamos que aqueles 137 homens que experimentaram violência, que mataram, e se envolvem em comportamentos de alto risco, geraram 673 crianças, enquanto os 243 homens que não mataram e se envolvem em riscos consideravelmente menores, tiveram um total de 380 crianças Os unokais assumem a liderança sobre os não-unokais, com um número médio maior de esposas em cada faixa etária, e uma média total de 1,6 esposas contra as 0,6 esposas por não-unokai. Curiosamente, podemos ver que a poligamia se torna aparente nos assassinos com mais de 30 anos, apenas para se tornar completa após os 40 anos de idade.

(Figura 3)-Sucesso conjugal de Yanomamis Assassinos x Não-Assassinos.


Os números tornam outra coisa aparente: Destacam a hipergamia feminina. As mulheres yanomami , em média, vão para um acordo maior e melhor, para o candidato mais capaz ao fazer seu investimento genético, conduzindo assim todo um processo de seleção sexual que favorecerá os traços desses assassinos endurecidos. Quero dizer, os números não deixam margem para dúvidas. Segundo o autor, dos 137 unokais 88% eram casados, e entre os 243 não-unokais apenas 51% deles tinham esposa.

Observando apenas o contexto de caçadores-coletores, não é revelado muito se a preferência feminina por machos agressivos e arriscadores vai para a satisfação de um modelo binário de proteção / provisão ou se é apenas parte de um modelo para seleção de parceiros. No caso dos Yanomami, a falta de leis formais e instituições para aplicá-las,como tribunais e forças policiais, significa que essas mulheres provavelmente dependerão de seus parceiros fortes e parentes restantes para ter proteção garantida. No entanto, quando o contexto e o ambiente são trocados, é preciso perguntar se o desejo de proteção continua sendo tão preponderante quanto o desejo de provisão.

Com isso dito, vamos mudar para o nosso próprio contexto civilizacional, isto é, um ambiente onde a agricultura, a indústria e o efeito de mecanização permitem uma abundância de recursos, e onde o derramamento de sangue e a pura força bruta não são mais, em grande parte, uma exigência para reuni-los, e ver até que ponto uma atração feminina por machos agressivos se manifesta. Em relação aos destemidos e ultra-violentos yanomami unokais, seus antecedentes caçadores-coletores geram um ambiente de relativa escassez de recursos, que por sua vez leva a níveis enormes de competição entre homens pelos mesmos recursos, sejam eles naturais ou sexuais. . Isso faz com que sua destreza e agressividade sejam características buscadas, e fatores críticos para o sucesso reprodutivo. Para nosso particular contexto e ambiente, no entanto, eu diria que as forças armadas representam o melhor grupo do qual se pode fazer uma comparação mais próxima dos Yokómami unokais, uma vez que seleciona ativamente indivíduos agressivos em detrimento daqueles que hesitam em correr riscos sob treinamento instenso. De fato o treinamento é apenas um processo de seleção para determinar quem tem "o que é preciso", não pode-se incutir tendências agressivas onde não há nenhuma para começar.

Os pesquisadores Benjamin Karney, David Loughran e Michael Pollard analisaram os dados conjugais de militares e civis masculinos dos EUA entre os anos de 1998 e 2005 em um estudo intitulado: “Comparando o estado civil e o status de divórcio em populações civis e militares”, descobriram que, embora haja essa noção circulando na opinião popular de que os casamentos de militares ativos estão em risco especial de dissolução, devido questões de distância e  longo tempo longe de casa durante o serviço, etc., na verdade não são apenas homens no militares mais propensos a se casar, e mais cedo na vida que os homens civis, mas também têm uma menor taxa de divórcio, enquanto eles permanecem ativos. Os autores dão uma visão sobre uma razão crítica por que tal é o caso. No artigo eles escrevem:

“Hoje, a maioria dos membros de serviço, tanto homens quanto mulheres, são casados e suas famílias têm acesso garantido a recursos como planos de saúde e creches, recursos que uma fração considerável de jovens recém-formados carece”.

“Além dos benefícios oferecidos a todos os militares, são reservados uma série de benefícios e incentivos substanciais para os militares casados. Por exemplo, os membros casados que estão no serviço ativo recebem um suplemento habitacional que lhes permite residir fora da base. (…) Os membros do serviço casados recebem um bônus pelo custo de vida; seus irmãos de armas não casados não recebem tal bônus. Os cônjuges dos membros do serviço casado são elegíveis para receber cobertura de saúde integral; os parceiros românticos dos solteiros não. Se um membro do serviço for morto em ação, seu cônjuge receberia benefícios de sobrevivente, entretanto um parceiro não casado não receberia nada. Como concluiu uma análise: “O valor real da indenização para casados que prestam serviços excede substancialmente o de pessoas solteiras de serviço idênticas”, fornecendo um incentivo ao casamento para os membros solteiros que faltam aos civis não casados. Além disso, quanto mais tempo um indivíduo espera ervir, maiores serão os benefícios potenciais acumulados com o casamento ”.


Diante disso, os autores postulam que grupos de homens que, como civis, normalmente seriam menos propensos a se casar devido à sua baixa renda média, como homens jovens, ou negros e hispânicos, mostrariam taxas mais altas de casamento como militares. Por exemplo, entre 2002 e 2005, os homens negros alistados entre 28 e 32 anos tinham mais de 27% de probabilidade de terem sido casados do que sua contraparte civil. Existe uma tendência em diferentes raças, faixas etárias e rank. Em suma, homens com idades entre 18 e 41 anos, independentemente de sua raça, que servem nas forças armadas têm maior probabilidade de se casar, do que os homens que nunca serviram nas forças armadas.

(Figura 4)- Diferenças entre as taxas de casamento de militares dos EUA e as de civis comparáveis.



Os números sobre o divórcio dão mais substância à preferência feminina por homens nas forças armadas. , E estes são geralmente menos propensos a se divorciar do que seus colegas civis.

(Figura 5)- Diferenças entre as taxas de divórcio nos militares dos EUA e as dos civis comparáveis.


Ah, mas espere, tem mais, e está ficando ainda mais interessante. Veja, este estudo se concentra apenas nas estatísticas de membros ativos do serviço versus civis. Agora, vamos considerar como essas taxas se comparam às dos veteranos, isto é, homens que não estão mais sob o comando das forças armadas. Em um artigo diferente dos mesmos autores do estudo anterior, intitulado: "Comparando as taxas de casamento e divórcio em populações civis, militares e veteranas", Karney, Loughran e Pollard colocam a questão: O que acontece com os casamentos formados enquanto servem, uma vez que o casal deixa o exército e retorna à vida civil? No resumo de suas descobertas, eles escrevem o seguinte:

“Análises de probabilidade linear de toda a população militar entre 1995-2002 indicam que, comparados a civis comparáveis, homens e mulheres militares têm maior probabilidade de se casar e que os militares têm menor probabilidade de se divorciarem enquanto prestam serviço militar. (…) No entanto, ao sair do exército, homens e mulheres veteranos têm taxas mais altas de divórcio do que civis comparáveis. Em conjunto, esses achados sugerem que os militares fornecem incentivos para se casar (para homens e mulheres) e permanecerem casados (para homens), mas uma vez que os membros retornam à vida civil E ESTES INCENTIVOS ESTÃO AUSENTES, eles sofrem maiores taxas de dissolução conjugal do que civis comparáveis. Isso sugere que serviço militar pode encorajar uniões que normalmente não seriam formalizados como casamento em um contexto civil e, consequentemente, mais frágeis com a saída das forças armadas”.


E aí você tem senhores, uma vez que a infinidade de benefícios saborosos que os militares oferecem aos casais secam, vemos sem muita surpresa que esses relacionamentos vão desmoronar em pouco tempo. Mais uma vez, vemos, claro como cristal, os efeitos da hipergamia em ação. Nada de novo por aqui.

Assim, em um ambiente de relativa abundância de recursos, onde as mulheres podem agora confiar no poder do estado, das forças policiais e dos magistrados para proteção, você pode ver que um homem agressivo e tomador de riscos começa a perder seu brilho aos olhos de uma mulher no momento em que ele falha em propiciar a aquisição de recursos. Eu não estou dizendo que as mulheres não exibem uma atração pelo "bad boy", vamos chamá-lo. Quero dizer, por exemplo, o tema da hibristofilia feminina, isto é, a atração sexual por alguém que cometeu um crime violento ou horrível está bem documentada, inclusive por Barbarossa em seus artigos sobre O derramamento do ego. No entanto, eu diria que qualquer atração feminina por violência e machos agressivos, não é uma atração à agressão em si, mas pelo que inconscientemente percebem que a agressão pode fazer por eles, por como ela pode ser uma ferramenta para satisfazer seus desejos hipergâmicos.

O raciocínio é bem simples. Nas centenas de milhares de anos da história da evolução humana, o advento da agricultura é uma ocorrência relativamente recente, com apenas 11.000 a 12.000 anos, o que significa que, para uma parte esmagadora da história de nossa espécie, a norma era a caça e coleta. Uma das principais pressões ambientais foi à escassez de recursos. A fim de adquirir esses recursos e, portanto,  sobreviver e ser capaz de deixar para trás alguns descendentes; boa saúde, proeza física e capacidade de eliminar uma ameaça eram praticamente absolutamente necessárias para o homem comum. Depois da revolução agrícola, o homem médio não precisava mais ser capaz de, por exemplo, bater violentamente no crânio de outro homem com uma pedra, a fim de garantir que sua família, ou clã, não morresse de fome. Os recursos tornaram-se mais fáceis de adquirir, significando que mais homens agora eram capazes de permanecer no jogo e passar seus genes adiante. Para dar mais credibilidade a essa hipótese de um modelo de seleção sexual centrado na aquisição e manutenção de recursos, considere um dos melhores vídeos da Stardusk: "Hipergamia Neolítica, Agricultura e o Efeito Mecanização". Nesse vídeo, foi demonstrada a existência da hipergamia feminina nas sociedades neolíticas no alvorecer da revolução agrícola, com evidências apontando para a presença de mulheres de origem caçadora-coletor em comunidades agrícolas, comunidades que experimentavam  a abundância de recursos de uma forma não sustentável, ou mesmo possível, para os caçadores-coletores.

No entanto, a evolução não é um processo imediato e hiper-racionalizado, é apenas uma série de prolongadas mudanças adaptativas para o que quer que seja o ambiente. Tenho boas razões para suspeitar que qualquer percepção de atração feminina por agressão é provavelmente um resquício de centenas de milhares de anos de adaptação a um ambiente onde os recursos eram curtos, e o comportamento de tomar riscos, agressão e força bruta eram uma maneira certeira de obtê-los e defendê-los, e que agora mesmo em nosso ambiente atual, tal atração poderia muito bem estar mal adaptada. É por todas as razões acima mencionadas que suponho que traços como agressividade, ausência de medo e tomada de riscos nos machos simplesmente informam a hipergamia feminina da capacidade de os machos adquirirem e reterem recursos, não tanto para satisfazer uma necessidade de proteção. Lembre-se, mesmo em um contexto de caçadores-coletores, como o dos Yanomami, homens de um grupo de parentesco (irmãos, pais etc.) podem perfeitamente satisfazer suas demandas de proteção sem a ajuda do parceiro sexual da mulher.
Em suma, neste momento, em nosso ambiente e contexto específicos, tenho motivos para considerar que a violência e a agressividade, como características, não exercem uma influência direta e direta sobre o sucesso reprodutivo. Repetir meu ponto anterior, a atração pelo “bad boy”, não é pelo o que ele é, mas pelo que seus traços podem ter. Então, ao invés de uma influência direta, a agressão exerce uma influência indireta sobre o sucesso reprodutivo, enquanto que, essencialmente, a linha de fundo é toda sobre recursos e provisão. Sempre foi, e para o futuro previsível, assim permanecerá.

Imagem sobres os Yanomami: https://mirim.org/node/701
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum