Buscar
Resultados por:
Busca avançada
Votação
Os membros mais ativos do mês
2 Mensagens - 67%
1 Mensagem - 33%
Maio 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário


Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Rei
Rei
Data de inscrição : 14/02/2018
Mensagens : 6
Fama : 624
Reputação : 6
Idade : 20
Localização : Petrópolis
Ver perfil do usuário

Cidades Não Foram Projetadas Para Mulheres

em Dom Abr 08 2018, 22:27
Em um artigo intitulado "Cidades não foram feitas para mulheres. Veja por que eles deveriam ser"; A imagem em destaque é a de uma jovem mulher, de costas para a câmera, olhando para uma paisagem urbana; A imponente expansão urbana parece de acordo com a essência da peça dos autores, para intimidar imensamente a inocente mulher / menina / criança.
Tanto é assim que as cidades aparentemente têm que ser redesenhadas para aplacar a ansiedade dos humanos mais mimados e protegidos que já existiram, isto é, mulheres que vivem em cidades urbanas modernas. O artigo afirma o seguinte:

À primeira vista, um encontro de cerca de 60 mulheres em Detroit no início deste mês parecia um típico evento de networking: alguns discursos, muitas conversas, muito vinho. Mas em vez de fazer contatos para impulsionar suas carreiras, as mulheres discutiram como usar seu poder coletivo para melhorar a cidade:
“O aspecto de rede dos acontecimentos da cidade é extremamente poderoso”, disse Wendy Lewis Jackson, diretora interina do Programa de Detroit da Fundação Kresge, ao The Huffington Post. Ela também foi palestrante no evento Sister City, que a Rede de Liderança Feminina de Detroit realizou no Consulado Urbano, um novo espaço que organiza conversas sobre a vida da cidade.

“Está moldando decisões e conversas sobre como melhorar a qualidade de vida na cidade como um todo”, acrescentou ela.
A necessidade de soluções focadas em mulheres nas cidades torna-se clara quando você olha como elas foram ignoradas no design urbano. Coisas como a acessibilidade do espaço público, o zoneamento de moradias e o projeto de transporte  podem marginalizar as mulheres e comprometer sua segurança.

As mulheres usam as cidades de maneiras diferentes dos homens de várias maneiras, segundo a American Planning Association e o Fórum de Planejamento de Mulheres da Cornell University: elas têm maiores taxas de pobreza e necessidades de moradia, ainda são “responsáveis pela maioria das tarefas domésticas e creches” tem comportamento único de movimentação devido sua combinação de trabalho e responsabilidades domésticas.

”Os planos das cidades predominantemente não atendem às necessidades das mulheres, seus conselhos de planejamento ou zoneamento não as tem como base e os desenvolvedores locais não tem noção delas, de acordo com uma pesquisa de 2014 com mais de 600 planejadores citada no relatório.

Alguns dos desafios que as mulheres enfrentam podem parecer simples como ter que andar por calçadas ou escadas mal conservadas com um carrinho de bebê ou usar banheiros sem lixeiras ou mesas de troca. Mas muitos são mais consequenciais, como evitar o transporte público em vez de enfrentar condições como pontos de ônibus desolados e mal iluminados, que as fazem se sentir inseguras.


A arrogância não-patológica do direito feminino não é surpreendente. Vemos casos clássicos de hipoagência feminina e mentalidade de vitimização.

"Elas têm taxas de pobreza mais altas e necessidades de habitação diferentes, e ainda são “responsáveis pela maioria das tarefas domésticas e dos cuidados infantis”.

Elas também têm uma rede de segurança social financiada principalmente por homens que trabalha em conjunto com um sistema de tribunais de família que dá à mulher a custódia dos filhos na grande maioria dos casos, mas quando conveniente, a presunção da maternidade é outro ponto na opressão patriarcal contra mulheres.

"Mas muitos são mais consequenciais, como evitar o transporte público em vez de enfrentar condições como  pontos de ônibus desolados e mal iluminadas, que as fazem se sentir inseguras."

Nenhuma menção sobre os mendigos que têm de recorrer a dormir nesses pontos de ônibus durante os meses de inverno, nenhuma menção sobre quantas cidades estão fabricando e instalando pontos de ônibus e bancos de parque que contêm espetos e outros impedimentos projetados especificamente para manter os desabrigados .

O artigo fica cada vez mais ridículo com essas reclamações estúpidas.

Se não acredita veja por si mesmo.

Texto traduzido do site Shedding of The Ego
Link: http://sheddingoftheego.com/2016/05/02/cities-are-not-designed-for-women-enough-apparently/
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum